O encanto do Titanic que atraiu o submersível Titan

Escrito por Giovana Pereira em

Nas últimas semanas, o submersível Titan, que levava piloto e quatro passageiros, partiu rumo a 3800 metros de profundidade do Oceano Atlântico, onde estão localizados os restos do navio Titanic, cujo naufrágio em 1912 foi considerado o mais famoso da História.

O Titanic, um dos maiores mistérios da História, que origina diversas curiosidades no imaginário popular mesmo após 111 anos após a sua única viagem, foi a inspiração de diversos contos e lendas.

Diante do ocorrido, muito sobre o grandioso Titanic e as narrativas sobre o navio voltaram à tona. Você conhece a história do Titanic? Caso não, este artigo é para você.

O Titanic

Titanic x Titan / imagens da internet

Desde a sua construção até a sua desastrosa descoberta mais de 70 anos depois de sua partida, o Titanic – ícone da decadência e da nobreza, que embarcava nobres e plebeus – provoca interesse em pessoas pelo mundo todo.

Com tantas produções culturais (e até réplicas em tamanho real do Titanic) acerca de tal fatídico desastre, o acontecimento que envolveu o Titanic é um retrato de sua grandiosidade mediante à ganância e ambição da sociedade que teve suas vidas fragilizadas ao verem tantas outras se perderem. O marco majestoso do luxo do navio era a sua cúpula de vidro, da Grande Escadaria.

A construção do Titanic

O Titanic foi construído nos estaleiros do senhor Thomas Andrews. Era o maior navio já construído naquela época, com dimensões impressionantes, medindo 349 m de comprimento, 53 m de largura, e 65 m de altura. Foi considerado à época o navio mais luxuoso já construído, com estado da arte em decoração, entretenimento, instalações e acomodações.

O navio foi realmente uma obra-prima da engenharia naval, e tinha um dos motores mais poderosos da época. A embarcação teve muita cobertura da imprensa na época de sua construção, e havia grandes expectativas de que o Titanic ia se tornar um dos maiores símbolos da tecnologia naquela época.

Além das decorações ornamentadas, o Titanic apresentava um imenso salão de refeições de primeira classe, quatro elevadores e uma piscina.

Quanto aos elementos de segurança, seu casco era formado por aproximadamente duas mil placas de aço mantidas unidas por mais de 3 milhões de rebites. Além disso, o Titanic possuía 16 compartimentos estanques que incluíam comportas que podiam ser fechadas remotamente a partir da ponte de comando, para conter a água caso o casco seja rompido.

O sistema levava muitos a afirmar que o Titanic era inafundável, ou como o engenheiro naval responsável pela construção do navio disse: “nem Deus afunda o Titanic”.

A história da viagem

No dia 10 de abril de 1912, o navio partiu de Southampton, na Inglaterra. Muitos estavam a bordo, cerca de 2200 passageiros e tripulantes. Seu destino era a cidade de Nova York, nos Estados Unidos, onde muitas pessoas que embarcaram estariam buscando uma melhor vida do que a que tinham na Europa.

O Titanic partiu em sua viagem inaugural, de Southampton, na Inglaterra, com destino a Nova York, nos Estados Unidos. Um aviso de iceberg foi recebido pelos operadores de rádio, mas nunca foi passado para a ponte de comando.

O primeiro oficial William Murdoch ordenou uma súbita curva e que os motores entrassem em reverso. O Titanic começou a virar, mas estava muito perto para evitar uma colisão. O lado estibordo do navio raspa ao longo da montanha de gelo, no dia 14 de abril de 1912.

Se o Titanic tivesse colidido com o iceberg de frente, e não de lado, os danos seriam muito menores, e o navio dificilmente teria o destino que teve. O navio estava longe demais de tudo e de todos para receber socorro no momento do naufrágio. Somente três horas depois do pedido de socorro do comandante do Titanic, quando o navio já havia afundado, chega o barco Carpathia, a sua velocidade máxima, de maneira arriscada, para resgatar os sobreviventes à deriva.

Estavam a bordo do Titanic cerca de 2.200 pessoas. Destas, sobreviveram apenas cerca de 700, muitos nem tiveram o conhecimento de que o navio afundaria e foram lançados ao mar congelante a uma temperatura de -2°C. Mulheres e crianças foram evacuadas primeiro, enquanto alguns tripulantes trabalhavam para manter luzes e energia para o rádio do navio.

A lendária orquestra, que tentava ofuscar até o som dos tiros que eram disparados pelos marinheiros para tentar manter a ordem, tocaria até o último momento, pois nenhum dos músicos sobreviveria ao naufrágio. Enquanto isso, em meio ao caos, o oficial Smith liberou a tripulação, dizendo “é cada um por si”.

Em 18 de abril, o Carpathia chega a Nova York, destino original do Titanic.

A descoberta do Titanic

Muitos anos se passaram desde a sua partida, e ninguém sabia ao certo onde estava o navio. Em 1 de setembro de 1985, os aventureiros americanos Robert Ballard e Jean-Louis Michel descobriram o que parecia ser o fateado navio, localizado a 3.800 metros de profundidade no Oceano Atlântico. Enquanto a proa é claramente reconhecível, a seção da popa foi severamente danificada.

Os mergulhadores desceram ao local onde estava o navio e puderam observar toda a extensão do desastre. Ficou claro que o navio foi cortado ao meio pela força da água, e que o luxo e a beleza que um dia foram marcas do navio tinham desaparecido.

Os destroços do Titanic foram tomados por microorganismos que consomem ferro, o que leva os cientistas a crerem que o navio desaparecerá por completo nas próximas décadas.

As investigações

As autoridades britânicas iniciaram uma investigação para entender o que poderia ter causado o naufrágio do navio. Eles descobriram que o grande iceberg era visível a uma certa distância, mas o navio não conseguiu reduzir a velocidade para evitar um possível acidente.

Além disso, foi determinado que não havia muitos botes salva-vidas disponíveis para transportar todos os passageiros e tripulantes. Poucos botes salva-vidas foram lançados, e muito poucos foram usados corretamente. Como resultado disso, muitas vidas foram perdidas.

Titan e Titanic: dois avisos ignorados

Havia riscos em ambas as expedições, tanto na de 1912, quanto na de 2023, e os tripulantes das duas viagens (ou, pelo menos alguns deles) estavam cientes dos riscos.

Um aviso de que havia um Iceberg na rota do RMS Titanic foi dado, porém não foi passado para a torre de comando.

Já na viagem do Titan, o presidente da OceanGate, Stockton Rush, foi avisado por funcionários anos antes, de que a cápsula não suportaria pressões submarinas a tão altas profundidades. Apesar dos avisos, o CEO tinha a intenção de executar um gigantesco avanço tecnológico nessa expedição experimental.

Tem muito mais sobre tecnologia para você no portal da Pá Virada!

Sobre o Autor
Giovana Pereira
Sou Giovana Pereira, responsável pela pesquisa, redação e pela construção do conteúdo. Neste blog, fornecerei dicas e informações sobre assuntos cotidianos para sua diversão e aprendizado.

Você está aqui:

Utilizamos cookies para lhe oferecer a melhor experiência em nosso site. Ao continuar a navegar, você confirma que aceita estes termos.